Cadastre-se para receber as novidade
da REDEFORT
 
Entre para o time de fornecedores da REDEFORT.
Clique aqui e conheça mais sobre a REDEFORT.
 
Número da lei:
Categoria:

CHEQUE PRÃ?-DATADO: DIREITOS/OB
Logo após a entrada em vigor do Código de Defesa do Consumidor (CDC) há quase 20 anos atrás, os juristas especializados (os chamados consumeristas) passaram a analisar as várias situações jurídicas existentes no mercado para verificar as modificações ocorridas. Uma delas envolvia os cheques pré-datados entregues para pagamento de compras típicas de consumo.
Desde logo, ficou patente que o cheque pré, como é conhecido, não podia ser apresentado antes da data combinada porque isso significava ruptura do contrato firmado (quer fosse escrito ou verbal). Aos poucos, foram surgindo ações na Justiça discutindo o efeito dessa quebra de promessa e houve muitas condenações em indenizações pelos danos materiais e morais causados aos emitentes dos cheques pré. O Tribunal de Justiça de São Paulo, por exemplo, julgou vários casos nesse sentido.
Pois bem. Essa posição da Justiça está agora consolidada com a edição, no dia 25 de fevereiro próximo passado, da Súmula nº 370 do Superior tribunal de Justiça.
Para deixar claro ao leitor, uma Súmula de Tribunal é uma espécie de "resumo" do pensamento majoritário (ou unânime) dos membros do Tribunal. A citada Súmula diz que "Caracteriza dano moral a apresentação antecipada de cheque pré-datado", o que elimina qualquer margem à dúvida sobre essa questão.
E para que se possa conhecer o inteiro panorama do uso do cheque pré-datado, apresentamos a seguir vários dos pontos envolvidos no que é pertinente ao Direito do Consumidor.
* O cheque pré-datado: características mercadológicas
O "cheque pré", como é chamado, nada mais é do que um financiamento direto do lojista (ou credor) ao consumidor. A diferença na comparação ao financiamento são as vantagens:
a) não há burocracia, pois não se assinam contratos, títulos etc.
b) não há acréscimo de impostos, uma vez que não é matéria regulada pela legislação fiscal ou tributária (ele está caracterizado apenas quanto à forma de quitação do preço e não como meio de financiamento);
c) sua operacionalidade é excelente, pois só precisa ser levado ao banco;
d) nenhum outro tipo de financiamento conhecido (com exceção do cartão de crédito) é tão prático e ágil.
* A proteção ao consumidor
Pela interpretação que se deve dar à lei que regula a emissão e circulação de cheques, o cheque pré-datado é absolutamente legal. Contudo, além desse aspecto de legalidade, existe ainda outro que protege o emitente do cheque pré, determinando que este somente possa ser apresentado na data combinada. � o elemento contratual que envolve a transação, que é regulada pelo CDC.
* Contrato verbal
Com efeito, o pagamento com cheque pré normalmente é, do ponto de vista jurídico, um contrato verbal, mediante o qual o comprador, adquirindo um produto ou serviço, paga o preço com um ou mais títulos (cheques), sendo certo que o vendedor se compromete a somente resgatar o título (isto é, apresentar o cheque pré no banco) nas datas acertadas entre ele e o comprador. Tudo verbal, mas tudo rigorosamente legal. As garantias são recíprocas: o comprador promete que terá fundos quando do saque; o vendedor promete que só apresentará o cheque na data acertada.
* A quebra da promessa
Na verdade, se nessa transação houver alguma quebra, ela será de dois tipos: ou o comprador não terá fundos na data aprazada; ou o vendedor quebrará a promessa e apresentará o cheque antes. Em ambos os casos, a quebra é contratual e, assim, está dentro do sistema jurídico.
* Obrigação do fornecedor
Além disso tudo, a partir de 11.03.1991, com a entrada em vigor do CDC, a transação efetuada entre o vendedor e o comprador, firmando a forma de pagamento através do cheque pré-datado, passou a ter regulação expressa em lei, mediante a figura da oferta: o comerciante oferece ao consumidor a oportunidade de pagar com cheque pré-datado.
Ora, verbal ou escrito, o contrato foi celebrado e pelo menos a operação de compra e venda foi efetuada. Como a oferta é parte integrante do contrato por força expressa de lei, e como tanto o preço como a forma de pagamento são partes da oferta do vendedor, eles integram o negócio realizado.
* Dever de apresentar o cheque na data combinada
Daí conclui-se que, se o vendedor oferece ao comprador como forma de pagamento a entrega de cheque que ele (vendedor) só vai levar ao banco em determinado dia futuro, isso é uma verdadeira cláusula contratual, que não pode ser por ele (vendedor) quebrada, sem que seja responsabilizado pelo rompimento.
Por isso, outro aspecto de bastante relevo é o da quebra da promessa e dos danos dela provenientes.
� O que acontece se o portador apresenta ao banco o cheque pré antes da data combinada?
Se o cheque for apresentado pelo vendedor na data combinada e não tiver fundos, ele tem a seu dispor as alternativas legais para tentar receber seu crédito e que são por demais conhecidas, posto que usuais e corriqueiras. Contudo, o que acontece se o vendedor descumpre o pactuado e apresenta o cheque pré antes do dia combinado?
A resposta somente pode ser a da responsabilização do vendedor pelos eventuais danos que sua quebra de promessa venha a acarretar ao consumidor, conforme, inclusive, agora ficou estabelecido na Súmula referida. A responsabilidade do vendedor é clara. Veja.
Na apresentação do cheque pré, antes da data aprazada, duas coisas podem acontecer: o cheque ter fundos e ser pago; ou o cheque não ter fundos e ser devolvido pelo banco. Em ambos os casos o consumidor é prejudicado.
No caso de o cheque ter fundos e ser pago, o consumidor sofre um prejuízo material direto e imediato, pois passa a não dispor do dinheiro que era seu, que lhe pertencia. Simultaneamente, ou logo após, o consumidor pode sofrer uma série de outros danos, tais como não ter mais dinheiro para arcar com outros compromissos, o que pode gerar outros tantos danos diretos.
Outros cheques de sua emissão podem vir a ser devolvidos por falta de fundos, uma vez que podem já estar em circulação, e o estavam porque o consumidor sabia que tinha suficiente provisão de fundos na sua conta corrente. O consumidor pode, também, sofrer danos materiais e morais como decorrência desses fatos.
No caso de o cheque não ter fundos, o consumidor sofre imediatamente danos materiais e morais.
* Fornecedor deve indenizar o consumidor
Em todas essas hipóteses a responsabilidade do vendedor é objetiva e decorre do descumprimento da oferta.
Fica claro, pois, que a operação da compra e venda de produtos ou serviços, que tem por forma de pagamento do preço a entrega de cheque pré-datado, é uma transação lícita, legal e expressamente garantida pelo CDC.
* Controle os cheques pré-datados
Como dica final, é importante controlar os cheques pré-datados emitidos, pois como é muito grande o número de estabelecimentos que aceitam cheque pré, o emitente acaba passando muitos, e com descontrole da conta no futuro, pode acabar tendo problemas com devolução do cheque por falta de fundos.
Da mesma forma, quem recebe cheques pré-datados deve ter um controle rigoroso, evitando a apresentação/depósito antes da data combinada. Colaboração de Rizzatto Nunes; Desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo.
| - LEGISLAÇÃO: Auxílio-doença
1.161 | LEIS - PRORROGADO PRAZO DE ENTREGA PIS
12058 | PIS E COFINS - DESONERAÃ?Ã?O DO PIS E COFINS D
12.291 | - Código de Defesa do Consumidor
46948 | Legislação - Alterado regulamento ICMS no RS
10.831/03 | Legislação - Certif. de produtos orgânicos
| - CHEQUE PRÃ?-DATADO: DIREITOS/OB
MP 433/2008 | - Medida Provisória - PIS/COFINS
02/2008 | Legislação Tributária - Novidade LUCRO REAL
072006 | tributação - REFIS 2006
 
 
Marca Redefort | Associe-se | lojas | Fornecedores | Fique por dentro | Leis | Cartão Redefort | Contato
Rua Henrique Dias, 69 - Vila Nova - CEP 93520-270 - Novo Hamburgo - RS - Fone: 51 3527.5813
GamPi